Bicicleta:
O melhor meio de transporte para curta distância

Você sabia que existe um meio de transporte acessível, de fácil manuseio, dinâmica como uma motocicleta, econômica para o bolso e que não agride o meio ambiente? Interessou-se, não é mesmo? Estamos falando da bicicleta!

A bicicleta é o melhor meio de transporte para curtas distâncias existente no mundo hoje. Com o seu uso, ajudamos o planeta ao não queimar combustíveis fósseis desnecessários, pois ela não tem motor, ou seja, não usa combustível para funcionar, melhoramos o desempenho do nosso corpo praticando exercícios físicos ao pedalar, e ainda por cima damos um salto em qualidade de vida e autoestima. Isso é que é chegar com tudo para um dia de trabalho!

Ainda não ficou convencido dos benefícios de pedalar pela cidade? Saiba que alguns estudos comprovam os benefícios do uso da bicicleta: redução de 50% no risco de desenvolver doenças cardíacas coronárias, diabetes e obesidade; redução de 30% no risco de desenvolver hipertensão; diminuição da pressão sanguínea; redução da osteoporose; alívio dos sintomas de depressão e ansiedade; estímulo aos músculos das vértebras dorsais (costas), coxas e glúteos; e diminuição do mau colesterol e da obesidade. Além disso, a prática colabora para diminuir o estresse, a ansiedade e para aumentar a força da musculatura das pernas.

Como você pode ver, andar de biciclet a realmente é um “andar na saúde”.
Pedalar para ir ao trabalho, à escola ou apenas por diversão rende muito. Uma pessoa, em um percurso de 10 km, queima 588 kcal, economiza R$ 3,25 e ainda colabora na redução de 2.75 kg de poluentes, que seriam emitidos pela queima de combustível, caso o transporte utilizado fosse um carro. Imagine se o uso de bicicleta como meio de transporte fosse difundido entre a população. Quantos benefícios para todos!

Pedalar com segurança


O uso da bicicleta deve ser realizado com toda a segurança. Veja as dicas de um pedalar seguro.

Use roupas claras, que facilitem a visualização do ciclista.

Evite excesso de velocidade.

Transporte somente uma pessoa por vez em cada bicicleta.

Não pedale com os pés descalços; e evite calçados que possam prender na bicicleta.

Não tire as mãos do guidão nem realize manobras perigosas

Pedale no sentido do trânsito, nunca na contramão, de preferência à direita

Conheça e respeite a sinalização do trânsito.

Evite o uso de fones de ouvido.

Faça revisões periódicas; fique atento à manutenção das correntes
e dos freios; e calibre os pneus com frequência.

Use capacetes, sinalizadores e retrovisores.

Bike arte radical

O BMX, arte radical em andar de bike, surgiu oficialmente nos Estados Unidos nos anos de 1960 e chegou com tudo no Brasil em 1978. Hoje em dia está entre os maiores esportes de ação do mundo.

A modalidade radical é dividida em duas categorias: O estilo racing (corrida) e o freestyle (Estilo Livre) que também é dividido em modalidades, as quais se diferenciam pelo local praticado e pela forma como são executadas
as manobras. São elas:

Vert

Vert ou vertical é praticado em uma rampa com formato de “U”, denominada “Half-Pipe”, com manobras nas bordas e nos chamados aéreos (vôos para fora da rampa), nos quais os atletas buscam executar manobras de alto grau de dificuldade. É uma modalidade com um belo visual para espectadores.

Dirt Jumping

É praticado em rampas de terra, com alturas e distâncias variadas. Podem ser rampas únicas, doubles, ou sequências chamadas de trails. As manobras são uma mistura das manobras vistas no vert com os grandes saltos do bicicross.

Flatland

É praticado em áreas planas e sem obstáculos, as manobras são um desafio de equilíbrio, criatividade e agilidade que podem ser estáticas (usando travões) ou com muito movimento. Os atletas ou artistas buscam
executar varias combinações e variações seguidamente sem interrupção de movimento entre uma manobra e outra.

Street

É praticado nas ruas. Tudo o que aparecer pela frente vira obstáculo para as manobras, desde escadas, corrimãos, paredes, bancos, monumentos etc. As manobras combinam o dirt , o vert e o flatland, e são executadas ao se transpor algum obstáculo. O que vale é a criatividade.

Park


É praticado em percursos fechados (skateparks ou bikeparks) onde se encontram obstáculos que, inicialmente, procuravam simular os obstáculos das ruas, mas atualmente já possui um desenho próprio, com rampas para aéreos e para saltos, bancadas, muros e paredes, escadas e corrimão.


IR PARA O SUMÁRIO DESTA EDIÇÃO

PÁGINA INICIAL