Mais de 75 mil estudantes disputarão as Olimpíadas
Estudantis 2010


Neste ano, na sua quarta versão, as Olimpíadas Estudantis prometem
grandes emoções. A expectativa é de que participarão mais de 75 mil estudantes, com idades entre 10 e 17 anos, representando 350 escolas da
rede municipal de ensino de São Paulo. Os jogos, iniciados em maio, vão até dezembro; as disputas serão realizadas em três categorias – pré-mirim, mirim e infantil –, em 11 modalidades esportivas – Basquete, Futsal, Vôlei, Handebol, Atletismo, Ginástica Rítmica, Ginástica Artística, Judô, Natação, Tênis de Campo, e Tênis de Mesa. O evento é da Secretaria Municipal de Educação, e está sendo organizado pela Federação do Desporto Educacional do Estado de São Paulo (FEDEESP).

O número de participantes cresce a cada ano. Em 2007, participaram quase
30 mil estudantes; em 2008, 56 mil; e em 2009, 63 mil. Na quarta versão,
será ultrapassada a barreira das 70 mil participações diretas, o que indica que as Olimpíadas Estudantis são um dos maiores eventos esportivos do país. Nessa medida, vão se cumprindo os objetivos dos organizadores: a massificação do esporte e a sua utilização como ferramenta educacional. “As Olimpíadas não se reduzem aos jogos. Mais do que isso, são uma oportunidade de novas vivências esportivas e de aprendizagem, o que colabora com a formação do indivíduo”, afirma Alexandre Traverzim, vice-presidente da FEDEESP.

Organização da competição

A competição é organizada em fases. A primeira é a fase regional. Nela, as
equipes das escolas se enfrentarão no âmbito da mesma Delegacia Regional de Ensino. Os três primeiros colocados de cada região/DRE serão premiados. O campeão e o vice passarão para a fase seguinte, a fase municipal.

A fase municipal, por sua vez, será dividida em 3 etapas. A primeira etapa
é chamada de pré-polo. Nela os concorrentes, de acordo com as sua delegacia de ensino, são divididos em 6 grupos (pré-polos). De cada pré-polo saem dois classificados, campeão e vice, para a etapa seguinte. Na etapa polo, todos os classificados serão reunidos em 4 grupos (polos) de 3 equipes. Classificam-se para a última etapa os primeiros colocados de cada polo.

A etapa final será decidida em eliminatória simples, disputada entre as
quatro equipes classificadas da etapa anterior, no Ginásio do Pacaembu. Todos os participantes dessa última etapa receberão premiações.

Competições estaduais e nacionais

Muitos estudantes têm desempenho destacado nas Olimpíadas Escolares e
acabam encaminhados para participar em competições estaduais, nacionais e até mundiais. Foi o que aconteceu no ano passado. Na modalidade de atletismo, 40 estudantes participaram do Campeonato
Brasileiro, ocorrido em Belo Horizonte, Minas Gerais. Desses, três atingiram
índices para o Campeonato Mundial; e fizeram parte da delegação brasileira de atletismo, em Doha, capital do Qatar. Também no judô houve destaque. Dez estudantes participaram do I Campeonato Brasileiro de Judô Escolar, realizado em Maceió, Alagoas. Provavelmente isso também acontecerá neste ano.

Aluno do Colégio Anchieta venceu o Concurso Nacional de Artes Gráficas


Matheus Romano Palmieri de Souza venceu, na categoria nascidos entre
1996 e 1999, o Concurso Nacional de Artes Gráficas promovido pelo
Panathlon Club de São Paulo. Matheus é estudante do 9ª ano do Ensino Fundamental do Colégio Anchieta; e aluno da professora Márcia Beleboni Nishi. Seu trabalho ressalta a importância do fair play (conforme pode se visto em imagem nesta página).



O evento - que tem a finalidade de difundir valores fundamentais preconizados pelo Panathlon Internacional, como a ética esportiva, o combate ao doping e a eliminação de barreiras de natureza social e étnica - foi realizado com a colaboração da Federação do Desporto Escolar do Estado de São Paulo e da Associação Brasileira do Desporto Escolar; e fez parte das comemorações dos 36 anos da fundação do Panathlon Club de São Paulo.

A Comissão de Avaliação do Concurso Nacional de Desenho foi composta pelo presidente do Panathlon, professor Aristides Almeida Rocha, pelo vice-residente Georgios Hatzidakis, pelo tesoureiro Paulo de Aguiar Prouvot e pela professora Lillian Cruz Nicolini. A entrega da premiação realizou- se dia 12 de agosto, em jantar realizado no Clube Esperia.

O caminho para a organização do Esporte Universitário

Terceira edição dos Jogos Universitários de São Paulo já é um sucesso.



Os Jogos Universitários Paulistanos (JUP) 2010 são a terceira edição do evento criado em 2008 para disseminar atividades esportivas no meio
estudantil e ser um instrumento de reorganização do esporte universitário. Eles são promovidos pela Federação do Desporto Escolar do Estado de São Paulo, organizados pela Associação Brasileira do desporto Estudantil
(ABRADE) e têm o apoio da Secretaria de Esportes, Lazer e Recreação da cidade de São Paulo (SEME).

Este ano, participam dos Jogos aproximadamente 4.600 estudantes, representado inúmeras Instituições de Ensino Superior (IES). Entre elas, estão a USP, a PUC-SP, o Mackenzie, a Uniban, a Anhembi Morumbi, o SENAC, a UNIP, a Unicsul, a Unisant’ana e a São Judas. São mais de 280 equipes na disputa de esportes coletivos, e 100, nos individuais. As seguintes modalidades estão em disputa: Atletismo, Basquete, Futebol
de Campo, Futsal, Handebol, Judô, Natação, Skate, Tênis de Mesa e Vôlei. Os jogos estão sendo realizados em instalações esportivas públicas - equipamentos gerenciados pela SEME - e privadas - quadras das IES.

“O equilíbrio das partidas e o entusiasmo dos participantes são as marcas desses Jogos”, disse Georgios Stylianos Hatzidakis, presidente da Associação Brasileira do Desporto Educacional (ABRADE) e um dos organizadores do evento. Nessa edição foram criadas duas séries de disputa, ouro e prata, o que permitiu um maior equilíbrio técnico entre as equipes.

O JUP melhora a cada ano. Cresce o número de participantes e a competição evolui tecnicamente. “O principal destaque desses jogos é a confirmação do potencial do esporte universitário, o aumento da participação e a ampliação de perspectiva”, confirma Thiago Lobo, coordenador
de Esportes Radicais da Juventude da SEME,
atento ao público-alvo da competição: há mais de 400
mil estudantes universitários e 161 Instituições de Ensino
Superior na cidade de São Paulo. “Com organização
e transparência, a tendência é a ampliação e o fortalecimento
do esporte universitário”, reforça Lobo.


III Fórum de Esporte Escolar
discute as dimensões socais do esporte

Realizado no dia 22 de maio, na unidade do SESC Santana, o III Fórum Esporte Escolar: Dimensões Sociais do Esporte atraiu a atenção de
aficionados do esporte, estudiosos do tema, estudantes, atletas,
treinadores, organizadores esportivos e autoridades. Foi uma boa
oportunidade para refletir sobre o esporte escolar: suas implicações
sócioculturais, suas possibilidades educacionais e sua relação com o
exercício da cidadania.

O evento foi realizado pela Secretaria Municipal da Educação, em parceria com a Secretaria Municipal de Esporte, a Federação do Desporto Escolar
do Estado de São Paulo e o SESC São Paulo; e faz parte da programação das Olimpíadas Estudantis desse ano.

A mesa da parte da manhã teve como tema a “Função Social do Esporte” e
contou com a participação da profa. Dra. Kátia Rúbio, que falou sobre a
relação entre esporte, educação e valores olímpicos; e do prof. Dr. Dante De Rose Junior, que também tratou da relação entre esporte e educação.

Na mesa da tarde, o tema geral foi “Esporte e Diversidade”. Participaram dessa reflexão a profa. Dra. Helena Altmann, que ministrou uma palestra sobre a participação da mulher no esporte; e prof. Ms. Paulo Verardi, que abordou o assunto deficiência e esporte.

O esporte escolar

“O esporte é uma das melhores escolas de humanidade. Ele permite não só que experimentemos nossos limites, mas também o prazer da vitória e o desgosto da derrota”, afirmou Rúbio, em sua explanação. Para a professora, essa experiência se refaz em outras dimensões no transcurso da nossa
vida, capacitando-nos a ultrapassar obstáculos que se apresentam na vida profissional, acadêmica e familiar. Nesse sentido, o esporte bem desenvolvido na fase escolar pode propiciar ensinamentos éticos que
acompanharão o indivíduo praticante.

Rúbio afirmou ainda que esses ensinamentos também se encontram no olimpismo, na educação olímpica, que não se reduz apenas aos jogos olímpicos, mas implica valores e ações que interagem com esses jogos. Na educação escolar, os valores olímpicos, como a superação, a busca de excelência, o direito a igualdade, a abnegação, o jogar de maneira limpa, o respeitar o adversário, podem ser decisivos na formação de alunos.

De Rose destacou que no esporte escolar o professor deve se preocupar com a formação global do aluno: “As ações devem estar voltadas para a aprendizagem de movimentos esportivos básicos e devem propiciar uma diversidade de experiências motoras”. Esse é o primeiro passo para a posterior especialização do movimento e da prática esportiva. Assim, é preciso garantir para todas as crianças a possibilidade da prática esportiva, independentemente de seu desempenho ou condição física, porque todos têm de ampliar o repertório motor.

De Rose defende que o esporte é uma ótima ferramenta de educação e de desenvolvimento global do indivíduo. Para isso, no entanto, ele acredita que é necessário que o profissional envolvido com as atividades esportivas na escola “muito mais do que conhecer o esporte, deve conhecer a criança, suas necessidades, seus limites físicos e cognitivos”. Nessa medida,
as ações esportivas devem estar adaptadas a essas necessidades e a esses limites, seja do ponto de vista das exigências físicas – como,
por exemplo, a dimensão de um gol ou a altura de uma cesta de basquete –, seja em relação às exigências intelectuais.

“O esporte não é bom nem é mau. Ele é o que fazemos dele. Nós, educadores, é que podemos fazer dele um fenômeno positivo, saudável, no
âmbito escolar”, reforça a professora Kátia.



Céu e Água
Projeto social promoverá aulas de natação para 4.800 crianças

O Projeto CEU e Água - que aguarda aprovação do Ministério do Esporte, em forma da Lei de Incentivo ao Esporte - foi criado pela Federação do Desporto do Estado de São Paulo, sob a coordenação técnica dos professores Tiago Aquino (Paçoca) e Kaoê Gonçalves, e visa à massificação da prática da natação entre crianças de 10 e 14 anos. As atividades, aulas e seletivas,
serão desenvolvidas nos 45 Centros Educacionais Unificados da cidade de São Paulo.

Este é o segundo ano de realização do evento e trata-se de um profundo aperfeiçoamento da atividade realizada no ano passado. “Agora vamos desenvolver um trabalho de base, com aulas de natação para 4.800 crianças”, afirma Luiz Carlos Delphino de Azevedo Jr., presidente da
FEDEESP. As atividades serão organizadas a partir da capacitação dos professores que irão ministrar aulas de natação para as crianças nos CEUs. As crianças terão aulas regulares e também participarão das competições previstas no projeto – cada criança participará de quatro disputas, que serão utilizadas pelos professores para avaliação qualitativa do aprimoramento
do nado. Ao todo, serão realizadas 17 competições.

Os quarenta estudantes que mais se destacarem nas competições poderão participar dos treinamentos do Centro Olímpico, que é uma unidade da Secretaria Municipal de Esportes, Lazer e Recreação destinada ao aperfeiçoamento de atletas das categorias de base.

Além do apoio da Secretaria Municipal da Educação ao projeto, a FEDEESP está em tratativas com a Sabesp, que participou da primeira versão do CEU e Água, e busca contar novamente com o nadador César Cielo no lançamento do evento. Ele, mais do que ninguém, sabe como são importantes iniciativas como essa, que difunde o esporte, forja nadadores
e forma pessoas.



Time das Olimpíadas
Estudantis participa de Mundial de Vôlei na França



No início do mês de julho, 10 estudantes estavam eufóricos. Depois de vencer na categoria Infantil de Voleibol na primeira etapa das Olimpíadas Estudantis da Rede Municipal de Ensino, evento organizado pela Federação do Desporto Escolar do Estado de São Paulo, eles foram convidados a participar do Campeonato Mundial de Voleibol da Federação Internacional de Desporto Escolar das Escolas Católicas, que se realizou em Tours, na França, e reuniu equipes de 15 países.

Os atletas que representaram o Brasil foram Danilo Silva Valentino, Erick Felipe Alves de Souza, Guilherme Gomes da Silva Josueliton Alves Silva, Lucas de Souza Pereira, Lucas Faria dos Santos, Matheus Shimada Machado da Silva, Rafael Bariati, Victor Gonçalves Cruz e Wallace dos
Santos Cordeiro. Eles são alunos da Escola Municipal de Ensino Fundamental Euclides da Cunha, do Capão Redondo, zona Sul da cidade de São Paulo. A professora- técnica, Espedita Gonçalves Nogueira Cobra, a Tita, também participou do Mundial, dirigindo a equipe.

Os estudantes foram acompanhados por representantes da Secretaria Municipal de Educação e da FEDEESP. A viagem foi organizada pela Confederação Brasileira do Desporto Escolar e pelo Ministério do Esporte.

Está bombando
Competição tradicional agrupa 40 escolas do ensino básico

Os jogos deste ano da Liga Zona Norte estão acontecendo e vão até agosto. As disputas se realizam entre times de escolas particulares da Região Norte da cidade de São Paulo que mantêm em seu programa atividades de iniciação desportiva. Mais de 2 mil alunos estão participando dos jogos nas modalidades de vôlei, basquete, handebol e futsal. Segundo seus organizadores, diretores da Federação do Desporto Escolar do Estado de São Paulo, o principal objetivo do evento é a disseminação da prática esportiva entre a juventude estudantil. Além disso, a competição busca estimular o intercâmbio esportivo entre as escolas e aumentar a experiência esportiva dos estudantes.



Informações:
www.ligazonanorte.com.br

Pan-Americano
Escolar acontece em Juiz de Fora


E m agosto, entre os dias 23 e 30, acontece o 1ª Pan-americano Escolar,
na cidade de Juiz de Fora, Minas Gerais. A disputa internacional será organizada pela FEDEESP, sob a coordenação da Federação Internacional (ISF) e da Confederação Brasileira do Desporto Escolar (CBDE). Haverá
competições nas categorias masculina e feminina, nas modalidades
de Atletismo, Natação, Basquete, Vôlei, Handebol e Futebol.

A cerimônia de abertura acontecerá dia 24, e as competições serão realizadas nos dias 25, 26, 28 e 29 de agosto. Só poderão participar das disputas do Pan- Americano os estudantes-atletas nascidos em 1993, 1994 e 1995.



IR PARA O SUMÁRIO DESTA EDIÇÃO

PÁGINA INICIAL