Rapel Urbano pendurado pela sensação
Esporte radical deve ser praticado com segurança.

O Rapel é uma técnica de descida vertical usada na exploração de cavernas, na escalada, no montanhismo e em resgates feitos em locais de difícil acesso. Mas ele também é considerado um esporte radical, praticado por
pessoas que se aventuram em ambientes naturais, como cachoeiras,
montanhas e grutas, e em prédios, pontes e viadutos da cidade. A prática
de rapel urbano tem crescido e não é raro ver alguém pendurado a dezenas de metros do solo.

Quem se aventura a uma descida vertical não passa em branco: sente frio na barriga e a adrenalina anda solta pelo corpo. Mas, para desfrutar da alegria dessa prática, é preciso tomar cuidados com a segurança. O
rapeleiro deve seguir a orientação de um instrutor de uma empresa credenciada a prestar esse tipo de serviço. Além disso, o instrutor deve conhecer bem o local da prática, e utilizar equipamento adequado

.A invenção da técnica do rapel

A técnica do rapel teria sido inventada por Jean Charlet- Stranton, Prosper Paytot e Frederic Folliguet em 1879, quando escalaram o Petit Dru, um paredão de rocha coberto de gelo e neve, em Chamonix, França. Por causa do grande risco da empreitada, eles tiveram de substituir as cordas de algodão por equipamento de maior resistência e criar técnicas novas de descida, dando origem ao rapel.

Equipamentos e local

Geralmente as cordas do rapel são feitas de poliamida, uma fibra
sintética mais resistente ao atrito. Os mosquetões e os freios oito, objetos utilizados para fazer ancoragens e prender o rapeleiro à corda, devem ser de duralumínio, liga especial que apresenta grande resistência. As cadeirinhas são feitas de nylon resistente com costuras especiais. Todo o equipamento deve estar em perfeitas condições, para proporcionar uma prática segura.
Sob orientação adequada, o rapel pode ser praticado em diversos locais na cidade ou no campo. O importante é respeitar os limites individuais e o nível de habilidade. A progressão gradual é um aspecto importante da prática segura.


IR PARA O SUMÁRIO DESTA EDIÇÃO

PÁGINA INICIAL