Sexualidade e adolescência:
quando o corpo palpita transformações*


Cada indivíduo tem um desenvolvimento próprio, com peculiaridades
que fazem dele algo original. Mas é possível observar tendências e fases
mais ou menos comuns da sexualidade dos seres humanos. Dentre essas fases, há a da puberdade. Nos meninos, o início da puberdade é marcado pela primeira ejaculação; nas meninas, pela menstruação. Essa nova fase da vida vem acompanhada de um conjunto de transformações que ocorre no corpo, que provoca emoções, surpresas, certas confusões, angústias e,
às vezes, sentimentos de culpa. Mas, ao mesmo tempo, essa situação é motivo de orgulho, afinal, está marcando a passagem da infância para uma nova fase de vida cheia de possibilidades.

No início da adolescência, a masturbação é uma atividade frequente, que pode ou não ser acompanhada de fantasias eróticas. É uma atividade importante, que propicia ao indivíduo um maior conhecimento de suas sensações e de seu corpo. Muitas vezes a masturbação é usada como uma espécie de válvula de escape da tensão; ou como descarga de impulsos agressivos.

Em geral a masturbação é algo saudável. Embora essa prática recorrentemente seja associada a um sentimento de culpa. Muitos
adolescentes se masturbam e depois sentem culpa. Culpa do quê? Provavelmente esse sentimento advenha de valores antigos da nossa ultura que associa as necessidades instintivas do corpo, principalmente
as sexuais, à sujeira, ao pecado. Nada mais falso.

A intensa excitação e as fortes transformações que acontecem na adolescência podem provocar desconforto, estranheza, medos e até fobias. As modificações do corpo podem causar insegurança. Nessa idade
é frequente que o indivíduo mexa muito no cabelo, roa as unhas e gagueje em determinadas situações. Os conflitos internos intensos podem afetar a alimentação.

O contato com o sexo oposto é muito desejado, mas também é muito temido. Em um primeiro momento, como maneira de se resguardar desse contato, predomina a relação de amizade com os indivíduos do mesmo sexo. O interesse pelo amigo ou pelos amigos é central. Os meninos e as
meninas formam grupos de acordo com o seu gênero.

Por volta dos quinze e dezesseis anos, as relações adquirem novos aspectos. O indivíduo começa a definir sua inclinação sexual, procurando contato sentimental ou físico com um parceiro ou uma parceira. É o período das paixões platônicas, dos sentimentos e dos amores que muitas vezes
não saem do âmbito interno do jovem. Ele não revela nada para a pessoa que é alvo de seu desejo. Se houver contato físico e atividade sexual nessa fase, é comum que essas novas relações tragam certa confusão. Por parte dos meninos, por exemplo, é comum a ejaculação precoce, porque o
desejo, que é intenso, é tão grande quanto a ansiedade. Por parte das meninas, há também insegurança em relação ao novo papel que elas estão assumindo.

É um universo de possibilidades que está se abrindo, relacionado com a afirmação e com a identidade da cada pessoa. As experiências se multiplicam. É um período rico de crescimento, no qual o indivíduo aprende muito sobre a vida e sobre o viver, no qual ele se abre para o mundo com criatividade e com desejo de melhorá-lo. Mas também é um período em que há muita vulnerabilidade em relação à pornografia, ao álcool e às drogas em geral. E é preciso ficar atento para que seu desenvolvimento continue no caminho do saudável.

IR PARA O SUMÁRIO DESTA EDIÇÃO

PÁGINA INICIAL