O esporte e a educação pela base são as chaves para o desenvolvimento do brasileiro
COM A PRESENÇA DE AUTORIDADES E PERSONALIDADES ESPORTIVAS, FOI FEITO O LANÇAMENTO OFICIAL DOS JOGOS UNIVERSITÁRIOS PAULISTANOS

A bateria da Escola Politécnica deu início ao evento de lançamento do JUP

No dia 6 de junho, às 20 horas, o auditório do SESC Vila Mariana estava lotado. Estudantes, diretores de faculdades, reitores, autoridades como o prefeito Kassab, políticos e personalidades esportivas, entre elas, a ex-jogadora de basquete Hortência e o vereador e ex-judoca Aurélio Miguel, estavam presentes. O mestre de cerimônia da solenidade era o apresentador Paulo Bonfá. Todos iriam participar de um evento que alguns chamavam de histórico: o lançamento do 1º Jogos Universitários Paulistanos (JUP). Trata-se de uma iniciativa da Secretaria Municipal de Esportes, Lazer e Recreação e da Coordenadoria da Juventude que visa a retomar a força do esporte universitário.
“Nessa noite histórica, realiza-se um sonho: o início de um processo que pretende, no campo esportivo e educacional, construir uma ponte entre o ensino fundamental e o universitário”, afirmou Walter Feldman, secretário municipal de esportes. Animado pela realização do evento, Feldman ainda destacou a importância do esporte como complemento educacional.
O representante das atléticas, Guilherme Ruggiero, estudante da Poli, também satisfeito com o lançamento do 1º JUP, declarou que, mais importante do que o resultado dos jogos, é “estarmos ultrapassando os limites históricos e unidos buscaremos um futuro melhor para o esporte.”
Os Jogos, que abrangerão uma grande variedade de modalidades esportivas, terão início dia 9 de agosto, e se realizarão em dependências de instituições de ensino superior, em equipamentos esportivos do município de São Paulo e em alguns CEUs. As inscrições serão realizadas entre os dias 9 e 20 do mês de junho.
Segundo Georgios Hatzidakis, dirigente da Associação Brasileira do Esporte Educacional (Abrade), responsável pela organização dos JUP, o esporte universitário “é uma grande fonte de líderes no Brasil”, por isso, é preciso desenvolvê-lo. Para ele, os primeiros JUP fazem parte de um processo educacional mais amplo. “Uma de nossas metas é desenvolver um Centro de Excelência do Esporte Educacional, no local que foi a antiga sede da FUPE”, afirmou.

Esporte e educação, um binômio para todo cidadão

A relação entre esporte e educação foi ainda mais destacada pelo secretário Júlio César Monzú Filgueira, da Secretaria Nacional de Esporte Educacional, que também fez uso da palavra: “O esporte é uma das manifestações as quais é preciso assegurar como pertencentes aos direitos do cidadão. O esporte educacional é um direito de todos.” Júlio ainda chamou a atenção para a relação entre o esporte educacional, em especial esporte universitário, e o desenvolvimento esportivo, inclusive em nível de alto rendimento: “Se não dermos a devida importância ao esporte educacional, não nos tornaremos uma potência esportiva. Cuba, por exemplo, é uma potência esportiva, porque antes é uma potência educacional.”

Como participar
Para se inscrever, as Associações Atléticas Acadêmicas e Instituições de Ensino interessadas deverão dirigir-se ao Centro Olímpico de Treinamento e Pesquisa (COTP).
Outras informações poderão ser obtidas pelo site
www.ativo.com ou pelo telefone (11) 3396- 6577.

Aurélio Miguel foi judoca campeão olímpico na categoria meio-pesado (Seul 1988); medalha de bronze olímpica (Atlanta1996); campeão mundial (1987): medalha de ouro em Jogos Pan-Americanos (Indianápolis, 1987); campeão pan-americano (1982, 1985, 1986, 1988 e 1992); campeão mundial júnior (1983); e campeão universitário (1984). Atualmente é vereador da Câmara Municipal de São Paulo.

Hortência Marcari, madrinha do JUP, foi uma das maiores jogadoras brasileiras de basquetebol de todos os tempos. Conquistou a medalha de prata nos Jogos Olímpicos de Atlanta (1996); a de ouro, no Campeonato Mundial da Austrália (1994); a de ouro, a de prata e a de bronze nos Jogos Pan-americanos, respectivamente, de Havana (1991), Indianápolis (1987) e Caracas (1983).

Os números da juventude brasileira

Segundo dados do IBGE, 80% dos jovens da América do Sul vivem no Brasil. São 34 milhões de pessoas entre 15 e 24 anos, aproximadamente 20% da população brasileira. Destes, 83% moram na zona urbana (28 milhões) e 17% (quase 6 milhões) na zona rural. Vinte milhões vivem em famílias com renda per capita de até um salário mínimo; e 1,3 milhões são analfabetos. Diante desses dados fica evidente que qualquer política esportiva conseqüente deve se apoiar em um programa amplo que ataque as desigualdades sociais e a falta de acesso a direitos básicos, inclusive o acesso ao esporte; e se estabelecer a partir de um programa de unidade entre todos os níveis de ensino.

IR PARA O SUMÁRIO DESTA EDIÇÃO

PÁGINA INICIAL