A estrela do tênis brasileiro diz adeus
TRISTEZA E GLÓRIA DE GUGA, NO ANO EM QUE ELE DEIXA AS QUADRAS

Se alguém ensinou ao brasileiro a gostar de tênis, esse alguém foi Guga. Aquele jovem alto, magro, de cabelos soltos e de tacadas certeiras, seguidas de gritos que sinalizavam o esforço de suas ações, contagiava. A trajetória progressivamente exitosa de Gustavo Kuerten foi paulatinamente despertando o interesse dos brasileiros, até criar uma espécie de “gugamania”, movimento do qual participavam crianças, adolescentes e adultos. Talvez tenha sido esse seu maior legado: fez de um esporte que, no Brasil, é praticado e assistido por uma elite algo popularmente conhecido, abrindo a possibilidade de uma nova relação do brasileiro com essa atividade esportiva. Quem não esperou ansiosamente pelas partidas finais de Roland Garros, para vê-lo brilhar internacionalmente? Quem não se emocionou com aquele moleque intrépido que ousou inscrever seu nome como primeiro do mundo, e que mantinha o mesmo comportamento que o guiava na infância? A história do tênis brasileiro está imbricada com a trajetória de Guga, com suas façanhas. Entre elas, o tricampeonato de Roland Garros e a dramática vitória na Masters Cup, quando, depois de sentir uma lesão na estréia e perder para Agassi, recuperou-se. Na semifinal dessa copa, triunfou sobre Sampras e, na final, venceu o próprio Agassi, batendo no mesmo evento dois dos melhores jogadores norteamericanos de todos os tempos. No auge de seu desempenho, Guga conseguiu permanecer durante 43 semanas como líder no ranking mundial do tênis profissional.

Entre lesões e cirurgias

Uma lesão no quadril acompanha Gustavo Kuerten desde 2001. Ele fez algumas cirurgias, para tentar sanar o problema físico, mas não adiantou. Desde então, o seu desempenho nunca voltou a ser o mesmo. Este ano é o último da sua vitoriosa caminhada no circuito de tênis profissional. Recentemente ele se despediu de Roland Garros. Depois de 20 títulos expressivos, Guga está longe das épocas vitoriosas, mas, de qualquer maneira, é uma estrela brasileira nas quadras. Essa estrela está se apagando, mas deixa lições e leva o carinho de muitos brasileiros. Guga, junto com Maria Esther Bueno, levou o tênis nacional para o topo do mundo. Eles nos fizeram acreditar que, às vezes, podemos muito.

IR PARA O SUMÁRIO DESTA EDIÇÃO

PÁGINA INICIAL